RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: CARTILHA ORIENTA SOBRE SOLICITAÇÃO DO EXAME

RM

O uso de exames complementares vem crescendo de forma geométrica no cenário ortopédico mundial. A despeito das incontáveis vantagens relacionadas a isso, indubitavelmente há um aumento no custo da saúde. Uma das ações importantes para que esse gasto não se torne inconcebível, além de reduzir a exposição e o desgaste do paciente, é solicitar o exame de modo correto.

Pensando nisso, a colega radiologista Dr. Patrícia Martins, juntamente a outros médicos radiologistas, elaborou uma cartilha elucidando o ortopedista sobre como otimizar os pedidos de ressonância magnética. Particularmente achei de enorme utilidade. Segue abaixo o texto de apresentação da Dr. Patrícia Martins.

Dr. Vincenzo Giordano

 

Caros colegas,

O primeiro exame de ressonância magnética (RM) em um ser humano foi realizado na década de setenta, e foram necessárias quase cinco horas para produzir uma imagem de baixa qualidade. Desde então, ocorreram vários avanços em relação ao tempo de exame e qualidade das imagens, o que fez com que a RM se tornasse uma ferramenta diagnóstica fundamental nos dias de hoje, principalmente na ortopedia. Por este motivo, é importante que o médico solicitante esteja familiarizado com estes avanços, para que o potencial diagnóstico da RM seja utilizado ao máximo. Nosso objetivo é esclarecer as principais dúvidas que surgem no dia a dia sobre indicação, realização, solicitação e contraindicações em relação aos exames de RM. Esperamos que esse trabalho seja de grande auxílio para os profissionais que lidam com a imagem musculoesquelética na sua prática clínica.

Patrícia Martins e Souza